9.9.08

Um final de tarde.
Uma rosa.
Um café.
Um beijo embaixo de cada poste e cada rua que passavam.
Uma foto emoldurada por uma janela achada no lixo.
Uma subida em uma rua incleme. Uma perda de folego. Um beijo para recuperar.
Uma caminhada até a faculdade.
Uma brincadeira em cada rua.
Uma conversa em cada esquina.
Uma noite fria.
Um beijo de boa noite.
Um amor que é você.
Uma paixão no ínicio.
Uma viajem para longe.

De um em um com você faço um monte.

Elisandro Rodrigues
09/09/08

Um comentário:

Ana Rocha disse...

Quando a gente
junta e se junta
sente um coração
conversando com o outro.

Uma conversa quente
com confidências trocadas
em desenhos feitos com giz.

Um café.
Um segredo.
Uma moldura.
É tudo que a gente tem.
A gente inventa
um outro mundo de loucura
de ternura,de frescura
so pra fazer rir.

Mas no fim a gente sabe,
como ja dizia a música
"Olhos abertos, o longe é perto, o que vale é o sonho"

Entra[saí]da - Manoel de Barros

Distâncias somavam a gente para menos. Nossa morada estava tão perto do abandono que dava até para a gente pegar nele. Eu conversava bobagens profundas com sapos, com as águas e com as árvores. Meu avô abastecia a solidão. A natureza avançava nas minhas palavras tipo assim:

O dia está frondoso em borboletas. No amanhecer o sol põe glórias no meu olho. O cinzento da tarde me empobrece. E o rio encosta as margens na minha voz.

Essa fusão com a natureza tirava de mim a liberdade de pensar. Eu queria que as garças me sonhassem. Eu queria que as palavras me gorjeassem. Então comecei a fazer desenhos verbais de imagens. Me dei bem.

[...]

1)É nos loucos que grassam luarais; 2)Eu queria crescer pra passarinho; 3) Sapo é um pedaço de chão que pula; 4) Poesia é a infância da língua. Sei que os meus desenhos verbais nada significam. Nada. Mas se o nada desaparecer a poesia acaba. Eu sei. Sobre o nada eu tenho profundidades.

Siente como Sopla el Viento