27.1.09

Pensamentos sobre um aniversário!

(Clique na imagem para ampliar)

Bhá, o aniversário dela está chegado, tenho que começar a ver o que dar de presente....humm...eu podia me dar para ela, seria um bom presente. Será que ela iria gostar? Acho que não. Tenho que dar um presente de amigo, quem sabe uma carteira...não ela iria achar intimo demais. Lingerie....mais intimo ainda, seria bom dar para ela usar comigo, hehe, que pensamentos, tenho que parar de pensar nessas coisas, ela é minha AMIGA. Vamos lá se concentra.....tá difícil...quem sabe sandálias, uma melissa...ela já tem demais. Roupas, uma saia, saia seria legal. Pensando bem eu já dei uma saia para ela e por sinal foi presente de aniversário, portanto, quer dizer que já dei um presente para ela. Mas queria dar outro, ela merece. Queria dar sonhos, felicidade, sonhos, amor (muito amor), PAZ, utopias...e por ai se vai, mas essas coisas a gente não consegue dar assim de presente de aniversário. De repente um presente mais simples como .... um livro! O livro que ia dar ela já tem. Um filme! Presente sem graça....

Acho que vou dar uma flor e um abraço, nada mais simples e marcante do que isso. Tá certo que poderia dar uma Luminária em forma de estrela, mas seria ousado demais dar algo assim. É uma flor e um abraço apertado é um bom presente de amigo. Vai ser isso. Agora que flor dar.........


Elisandro Rodrigues

Queimando os neurônios tentando achar uma solução

Um comentário:

O solitário Jim disse...

doar-se já é grande coisa.
essas coisas que só em paz com amor, entende-se bem!

Entra[saí]da - Manoel de Barros

Distâncias somavam a gente para menos. Nossa morada estava tão perto do abandono que dava até para a gente pegar nele. Eu conversava bobagens profundas com sapos, com as águas e com as árvores. Meu avô abastecia a solidão. A natureza avançava nas minhas palavras tipo assim:

O dia está frondoso em borboletas. No amanhecer o sol põe glórias no meu olho. O cinzento da tarde me empobrece. E o rio encosta as margens na minha voz.

Essa fusão com a natureza tirava de mim a liberdade de pensar. Eu queria que as garças me sonhassem. Eu queria que as palavras me gorjeassem. Então comecei a fazer desenhos verbais de imagens. Me dei bem.

[...]

1)É nos loucos que grassam luarais; 2)Eu queria crescer pra passarinho; 3) Sapo é um pedaço de chão que pula; 4) Poesia é a infância da língua. Sei que os meus desenhos verbais nada significam. Nada. Mas se o nada desaparecer a poesia acaba. Eu sei. Sobre o nada eu tenho profundidades.

Siente como Sopla el Viento