25.1.09

Noite de amor


Tudo começou com uma xícara de chá, um carinho na mão.

Tudo terminou com uma noite de amor depois de cinco meses.

Neste tempo muitas coisas boas permanecem, e permaneceram: pois as mudanças verdadeiras passam pelo corpo, e ficam gravadas nele – como ficam gravados desenhos e palavras numa caixa. Como um varal musical de sentimentos. Tudo fica registrado. Cada momento de alegria e de tristeza. Muitas são as imagens: você sorrindo, você dormindo, você embalando a criança nos braços, você brincando, você alegre, ...são tantos os momentos, e foram tão intensos...

Escrevo para lembrar, assim como ainda lembro seu cheiro no meu corpo, nos meus braços, nos meus lábios, o suor do último amor ainda permanece.

Muitas são as palavras para serem ditas, mas grande é o jardim do silêncio, portanto poucas são as palavras faladas, o coração guarda a maioria, no corpo estão presentes os sonhos, quem sabe um dia os corações voltarão a se falar.

Permanecerás...por um bom tempo permanecerás.

Elisandro Rodrigues

2 comentários:

O solitário Jim disse...

ui!

Preta Lopes disse...

"O que será? Que Será?
Que vive nas idéias
Desses amantes
Que cantam os poetas
Mais delirantes(...)"

Beijokas!

Entra[saí]da - Manoel de Barros

Distâncias somavam a gente para menos. Nossa morada estava tão perto do abandono que dava até para a gente pegar nele. Eu conversava bobagens profundas com sapos, com as águas e com as árvores. Meu avô abastecia a solidão. A natureza avançava nas minhas palavras tipo assim:

O dia está frondoso em borboletas. No amanhecer o sol põe glórias no meu olho. O cinzento da tarde me empobrece. E o rio encosta as margens na minha voz.

Essa fusão com a natureza tirava de mim a liberdade de pensar. Eu queria que as garças me sonhassem. Eu queria que as palavras me gorjeassem. Então comecei a fazer desenhos verbais de imagens. Me dei bem.

[...]

1)É nos loucos que grassam luarais; 2)Eu queria crescer pra passarinho; 3) Sapo é um pedaço de chão que pula; 4) Poesia é a infância da língua. Sei que os meus desenhos verbais nada significam. Nada. Mas se o nada desaparecer a poesia acaba. Eu sei. Sobre o nada eu tenho profundidades.

Siente como Sopla el Viento