3.11.08

Memórias musicais....

Do Filme Juno

Anyone Else But You

Composição: The Moldy Peaches

You're a part time lover and a full time friend
The monkey on you're back is the latest trend
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

Here is the church and here is the steeple
We sure are cute for two ugly people
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

We both have shiny happy fits of rage
I want more fans, you want more stage
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

You are always trying to keep it real
I'm in love with how you feel
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

I kiss you on the brain in the shadow of a train
I kiss you all starry eyed, my body's swinging from side to side
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

The pebbles forgive me, the trees forgive me
So why can't, you forgive me?
I don't see what anyone can see, in anyone else
But you

Du du du du du du dudu
Du du du du du du dudu du

I don't see what anyone can see, in anyone else
But you


Qualquer Um Além de Você

você é amante em parte do tempo e amiga em tempo integral
O seu vício é a última moda,
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Aqui está a igreja e aqui é o campanário
Nós com certeza somos fofos para duas pessoas feias
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Ambos temos brilhantes e felizes acessos de raiva
Eu quero mais fãs, você quer mais palco
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Você está sempre tentando ser verdadeiro
Eu estou apaixonada pelo jeito como você se sente
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Te beijo na testa na sombra do trem
Te beijo com o olhar estrelado, seu corpo balançando de um lado para o outro
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Os pedregulhos me perdoam,as árvores me perdoam
Então, por que você não pode me perdoar?
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

Du du du du du du dudu
Du du du du du du dudu
Eu não vejo o que qualquer um pode ver
Em qualquer outra pessoa
Só vejo em você

************************************************************************************

Eu Não Vou Chorar

Nando Reis

É bom olhar pra traz e admirar a vida que soubemos fazer
É bom olhar pra frente.
É bom nunca é igual: olhar, beijar e ouvir cantar um novo dia nascendo.
É bom e é tão diferente.
Eu não vou chorar, você não vai chorar.
Você pode entender que eu não vou mais te ver por enquanto.
Sorria e saiba o que eu sei: eu te amo.

É bom se apaixonar
Ficar feliz, te ver feliz me faz bem.
Foi bom se apaixonar.
Foi bom e é bom e o que será?
Por pensar mais e eu prefiri não pensar demais dessa vez.
Foi tão bom e por que será?

Eu não vou chorar, você não vai chorar.
Ninguém precisa chorar mais eu só posso te dizer por enquanto.
Que nessa linda história os diabos são anjos.
Eu não vou chorar você não vai chorar.
Você pode entende que eu não vou mais te ver por enquanto.
Sorria e saiba o que eu sei: eu te amo.


Um comentário:

Preta Lopes disse...

"Sorria e saiba o que eu sei."

Tava escutando essa música!
Adoro !!

Entra[saí]da - Manoel de Barros

Distâncias somavam a gente para menos. Nossa morada estava tão perto do abandono que dava até para a gente pegar nele. Eu conversava bobagens profundas com sapos, com as águas e com as árvores. Meu avô abastecia a solidão. A natureza avançava nas minhas palavras tipo assim:

O dia está frondoso em borboletas. No amanhecer o sol põe glórias no meu olho. O cinzento da tarde me empobrece. E o rio encosta as margens na minha voz.

Essa fusão com a natureza tirava de mim a liberdade de pensar. Eu queria que as garças me sonhassem. Eu queria que as palavras me gorjeassem. Então comecei a fazer desenhos verbais de imagens. Me dei bem.

[...]

1)É nos loucos que grassam luarais; 2)Eu queria crescer pra passarinho; 3) Sapo é um pedaço de chão que pula; 4) Poesia é a infância da língua. Sei que os meus desenhos verbais nada significam. Nada. Mas se o nada desaparecer a poesia acaba. Eu sei. Sobre o nada eu tenho profundidades.

Siente como Sopla el Viento